Morar na França como Estudante

Hoje moro na França como assalariado, mas por ter feito parte de meus estudos aqui, já vivi muits peripécias no sistema administrativo Francês.

Tive duas vezes a experiência de obter um visto, duas vezes a experiência de mudar para a França e assim por diante. Ao voltar para trabalhar, eu pude evitar uma série de erros que eu já tinha cometido como estudante.

Apesar de muitos deles serem engraçados e terem me acrescentado bastante experiência pessoal, ter uma noção melhor do que avaliar na hora de montar o seu projeto é sempre bem vindo.

Por isso eu resolvi trazer alguns pontos de atenção que notei durante minha experiência de estudos na França.

Seja num intercambio universitário, de pós-graduação ou simplesmente de estudos de língua, estudar por um tempo na frança pode te ajudar a criar o networking, as capacidades linguísticas e a compreensão do mercado e do modo de vida o suficiente para permitir uma migração a trabalho mais tarde.

Os vistos de estudos são, na regra geral, mais simples de obtenção que outros tipos de visto pelo caráter temporário da estadia – que costuma ser entre 6 meses e 2 anos para graduação e até 5 anos* para um doutorado completo – e por ter uma instituição de ensino apoiando o projeto. Apesar disso, a qualidade do pedido é essencial e pode fazer toda a diferença mais para a frente.

 

*Não existe visto de 5 anos, seria uma carta de residência no caso. Mas dá pra pegar a idéia.

Eu separei a lista entre grandes tipos de intercâmbio – Formação Diplomante (famoso curso de graduação ou pós-graduação), Estudo de Francês e Au Pair. Eu obviamente não sou a melhor pessoa para falar do último, mas tem algumas dicas genéricas que valem sempre.

Enfim, vamos lá que hoje tem várias coisas super importantes para montar um projeto de intercâmbio!

Formação Diplomante

Para quem vem fazer uma graduação ou pós-fraduação sanduíche, ou então um mestrado/ doutorado completo, é importante saber algumas coisas a levar em conta :

Tipo e tempo do programa

Se a escolha for realizar um intercâmbio universitário, é importante saber que o tempo dos programas varia, e na minha experiência esse tempo é inversamente proporcional à facilidade de se posicionar no mercado francês na sequência. Claro que vários outros parâmetros impactam nessa colocação no mercado, mas alguém com um intercâmbio curto de seis meses terá certamente menos oportunidades que um perfil similar mas que teve uma vivência maior no país.

O fato de poder ou não fazer um estágio durante o intercâmbio também tem um impacto muito grande, então é legal buscar um programa que permita fazer pelo menos alguns meses de estágio – ou até mesmo solicitar um prolongamento à instituição de ensino brasileira para realizar o estágio fora do país.

Antes de procurar e começar um estágio, não se esqueça de verificar com o consulado quais as condições específicas para o seu tipo de visto.

Custeio

Os estudos podem ser bancados pelo estudante e sua família, mas existem muitas opções de bolsas tanto públicas quanto privadas. Entre as bolsas públicas, temos a BAFRAGRI e BRAFITEC, que já existem a bastante tempo e, apesar de terem seus programas bastante reduzidos após o fim do Ciência sem Fronteiras, ainda continuam sendo uma oportunidade bem legal para vários alunos das áreas de desenvolvimento sustentadas pelo programa. Se você está na universidade, não perca tempo e vá até o site ou secretaria do departamento internacional para conhecer quais opções estão disponíveis.

Entre as bolsas privadas, a Fundação Estudar é bastante conhecida, mas não é a única. Algumas empresas como por exemplo a Michelin, tem programas de bolsas nas quais o aluno é convidado a fazer o estágio na empresa se assim desejar, o que ajuda a agregar ainda mais na experiência.

Além das bolsas do Brasil, existem bolsas que o próprio governo francês oferece, dependendo do seu curso e universidade. Uma das mais conhecidas é a Eiffel, mas existem também outras como Erasmus e Victor Hugo.

Achei importante tomar tempo explicando um pouco mais sobre bolsas pois um dos pré-requisitos que não pode faltar no pedido de visto é o financiamento da estadia.

Carga horária e língua de ensino

Uma das maiores dificuldades dos alunos de intercâmbio é se acostumar com o ritmo das aulas, que pode ser muito lento ou muito rápido conforme a universidade. É importante entender o nível de ensino, assim como o estilo e carga horária, para não acabar fazendo apenas 2h de aula por semana e ficando sem aprender a língua como deveria. Ou então ter 40h aula por semana e não conseguir acompanhar por conta do tempo necessário para absorver todo o conteúdo em um outro idioma.

O fator idioma de ensino também pode ajudar na escolha, pois algumas universidades tem cursos 100% em inglês, o que ajuda bastante a não se perder no começo. O contraponto é justamente que você não terá no dia-a-dia uma obrigação tão forte de falar francês, e isso pode acabar atrasando um pouco o aprendizado. Nada que proatividade e um pouco de criatividade não possam vencer. Participar das associações, clubes e esportes é uma ótima saída nesses casos, bem como participar ao máximo de grupos de trabalho e estudos.

 

Estudar Francês

Eu conheço algumas pessoas que fizeram puramente linguístico, e do que eu consegui identificar da experiência deles, dois pontos específicos tendem a dar mais dor de cabeça e devem ser alvo de um cuidado especial :

Alojamento

Enquanto a maioria das universidades dispõe de residências e/ou um sistema de apoio, os cursos livres raramente oferecem opções diferentes da estadia em casa de família (em francês, ‘Famille d’Accueil’), que costumam ser bastante caras. Apesar de poderem ser uma ótima opção, mutias vezes acontecem incompatibilidades e a estadia pode ser um pesadelo se a escola de francês não estiver 100% apta e presente para te ajudar. Verifique os depoimentos e tente entrar em contato com ex-alunos para garantir que o serviço da escola é legal.

Se você preferir buscar algo por conta, não deixe de olhar opções como AirBnB e Leboncoin (que eu já expliquei neste post), que podem sair mais em conta dependendo da cidade e da sua habilidade de pesquisa.

Novamente o custo

Enquanto para um intercâmbio universitário existem várias opções de bolsas, em geral os estudos de línguas saem do bolso do próprio aluno. Nesse caso, é importante seguir à risca a regra do consulado para não ter surpresas ruins na hora da entrevista. Vale lembrar que mutias vezes eles pedem que o curso e alojamento já estejam pagos, e que a soma total necessária esteja disponível em conta corrente – e não em aplicações ou em limite do cartão de crédito.

 

Au pair

Um modo um pouco diferente de estudar, o Au Pair é um tipo de programa onde o intercambista fica alojado na casa de uma família, onde ele toma conta geralmente das crianças, mas podendo também vezes tomar conta de pessoas idosas. Nesse sistema, o contato com o idioma é garantido, mas um curso de francês em geral é incluído pelas agências.

Pode ser um dia a dia bastante cansativo, mas o aprendizado é em geral válido e o contato direto com a família pode alavancar o estudo da língua e da cultura do país.

Eu conheço pessoalmente apenas 2 pessoas que vieram num programa desses, mas pesquisando um pouco dá pra ver que é um programa legal mas que exige uma atenção bem especial para dar certo.

 

Cuidados na escolha da Família

Como toda estadia em casa de família, existe sempre o risco de incompatibilidade, então mais uma vez e importante verifcar a reputação da agência e ser bem preciso nas informações pessoais e sobre suas limitações – por exemplo se você não suporta cigarro ou então tem alergia a gatos é importante avisar isso para a agência, para que ela possa buscar especificamente famílias que entrem no critério.

Agência

Conforme já explicado neste post, existe uma agência nacional que reune as agências de Au Pair, então verifique se sua agência faz parte do organismo e se informe junto a eles em caso de dúvida.

 

É isso aí pessoal, essas foram as dicas de hoje. Espero que esses pontos possam te ajudar a pensar no seu projeto e entender o que se encaixa melhor pra você e pros seus objetivos. Se ficar alguma dúvida não deixe de mandar um comentário para gente poder responder e deixar mais gente sabendo!

Um comentário em “Morar na França como Estudante

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Escreva um blog: WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: